Principais situações de emergência dentro do condomínio

Olivasdigital

Condomínios
14/12/2021

Saiba como lidar com uma situação de emergência dentro do condomínio

Ainda que um bom síndico adote medidas preventivas, existem situações que colocam em perigo todos os moradores. Por isso, neste artigo, listamos algumas situações de emergência dentro do condomínio e mostramos como lidar com elas.

Prevenir é importante, ainda que não seja suficiente

Antes de listar as situações de emergência, precisamos dizer que é impossível evitar que problemas aconteçam, mas uma boa ação preventiva certamente pode ajudar a minimizar o impacto e prejuízo dos inevitáveis imprevistos.

Abaixo, mostramos algumas situações que devem ser objeto de atenção dos síndicos:

1. Incêndios e sinistros

O condomínio deve ser responsável por manter o laudo do corpo de bombeiros em dia, extintores em boas condições de uso, rotas de fuga de emergência desobstruídas, bem como, funcionários e moradores preparados para saber o que fazer em caso de incêndio ou sinistro. 

Dependendo do tamanho do condomínio, deve haver um bombeiro civil no quadro de funcionários. Quando isso não é necessário, recomenda-se ter um bombeiro por perto com o conhecimento necessário para ensinar a todos como evitar as principais situações de risco e o que fazer em caso de uma fatalidade.

Os brigadistas costumam passar esse tipo de informação em reuniões da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), que devem ser realizadas periodicamente. Mas, também devem fazer treinamentos e simulações todo ano para preparar os moradores e funcionários e orientá-los em como agir em emergências. O treinamento inclui:

  • primeiros socorros básicos
  • uso dos equipamentos de combate a incêndio
  • ​rotas, planos e medidas emergenciais em um incêndio

Uma boa empresa, que fornece mão de obra de facilities, deve estar preparada para fornecer profissionais capacitados para lidar com essas situações. 

2. Vazamento de água e gás

Vazamentos de água e gás trazem riscos a todos e, por isso, sempre que identificados, é preciso seguir alguns procedimentos básicos, como:

  • Fechar os registros de água/gás imediatamente
  • No caso de gás, entrar em contato o mais rápido possível com a empresa distribuidora de gás ou com o corpo de bombeiros ligando no número 193. Em casos mais graves, evacuar imediatamente o condomínio
  • No caso do vazamento de água, o zelador ou o funcionário responsável pela manutenção condominial pode fazer uma vistoria para identificar a origem e providenciar o reparo necessário.

3. Quedas de energia

Para evitar que quedas de energia aconteçam, é preciso investir em geradores e/ou nobreaks profissionais capazes de assegurar o fornecimento de energia nas atividades mais importantes, como a portaria, evitando que portões fiquem abertos.    

Mas, se o condomínio não contar com um gerador, a primeira coisa que deve ser feita quando acontecer uma queda de energia prolongada é verificar se alguma pessoa ficou presa no elevador. E, se for o caso, ligar para a empresa responsável pelo elevador ou, em casos graves, para o corpo de bombeiros.

Luzes de emergência alimentadas com bateria em locais como as escadas também são bem-vindas, porque elas vão ajudar os moradores a se locomover pelo condomínio em segurança com baixa iluminação.

4. Elevadores parados

Esse é o pesadelo tanto dos moradores quanto dos síndicos. Afinal de contas, ninguém quer se ver nessa situação. Mas, infelizmente, pode acontecer do elevador parar com alguém dentro. Nesse caso, o síndico ou funcionário nunca deve tentar socorrer os passageiros por conta própria. Isso pode trazer ainda mais risco para a situação. É preciso, então, chamar a empresa de elevador ou, como dito antes, o corpo de bombeiros.

5. Brigas

As brigas são um dos maiores problemas que todo síndico precisa enfrentar. Mediar os conflitos é muito importante para tentar manter a harmonia entre os moradores, mas, nem sempre isso é possível. Assim, se o desentendimento violar alguma norma estabelecida, o síndico pode aplicar multas, advertências ou, em casos extremos, chamar a polícia.

Mas, existem também os casos de violência doméstica. Se tratando disso, a atuação deve ser diferente. Em São Paulo, a lei obriga os síndicos a denunciarem violência doméstica nos condomínios. Portanto, é muito importante ficar de olho para que isso não aconteça.

6. Assaltos

Ainda que viver em um condomínio possa ser mais seguro, é necessário adotar algumas medidas para lidar com situações como os assaltos. Dessa forma, o condomínio pode contar com equipamentos:

  • Cercas e sensores perimetrais
  • Sistemas de alarmes
  • Câmeras com gravação
  • Portão com motor rápido
  • Eclusas intertravadas

Mas, se ainda assim acontecer um assalto, tanto os moradores quanto os funcionários precisam manter a calma e não reagir. E, se possível, usar o procedimento do pânico. Na ASTER, implementamos o procedimento do pânico em que os moradores e funcionários conseguem gerar um alerta para a central em caso de situações de risco. Existem, pelo menos, 4 recursos:

  • Dedo do pânico na biometria
  • Senha do pânico no teclado
  • Botão de pânico no controle remoto do portão veicular. Esse procedimento depende do controle adotado no condomínio. Em alguns controles, o pânico é um botão específico. Em outros, basta manter o botão de abertura pressionado por mais de 3 segundos
  • Botão de pânico no App ASTER Portaria Remota

Ao usar uma dessas opções, o alarme é disparado na Central de Monitoramento da Portaria Remota, onde os operadores conseguem visualizar a situação pelas câmeras de segurança do condomínio, podendo identificar duas situações:

  1. Se pelas câmeras ficar evidente que trata-se de situação de risco, a ASTER aciona a polícia imediatamente
  2. Mas, se a situação de risco não for evidente, o morador receberá uma ligação da ASTER e o operador fará uma pergunta pré-cadastrada no sistema (senha de coação). Se a resposta/palavra-chave não corresponder com a previamente combinada e cadastrada no sistema da ASTER, é sinal de que o morador está em risco. Neste caso, a Central entra em contato com a polícia

Como a ASTER pode ajudar?

Há mais de 15 anos no mercado, atuamos em São Paulo oferecendo toda a solução de que seu condomínio precisa: vigilância armada e desarmada, portaria presencial, portaria remota, implantação de projetos de automação predial como eclusas, câmeras, alarmes e sistemas de reconhecimento facial. Então, entre em contato agora mesmo e peça um orçamento!

Agora que você já sabe quais são as principais situações de emergência dentro do condomínio, compartilhe esse post com mais pessoas para que a informação chegue a todos!